Estádios paulistas preparam ‘revolução higiênica’ para voltar a receber partidas

Saem bilheterias, lanchonetes e torcedores. Entram barreiras sanitárias, álcool em gel e mutirões de higienização. O Campeonato Paulista vai recomeçar na próxima quarta-feira com uma série de substituições incomuns nos estádios. Para garantir a segurança dos jogadores e assegurar a conclusão do torneio, os locais de partida terão menos de 200 pessoas em cada jogo, todos profissionais, e cuidados desde a chegada dos atletas até com a roupa utilizada em campo.

O primeiro jogo a mostrar essa nova fase do Estadual paralisado há quatro meses será no Canindé, o estádio da Portuguesa. Sem poder mandar a partida em Itu por causa da grande quantidade de casos na região, o Ituano encara a Ferroviária às 16h30 para inaugurar o protocolo médico de cuidados da Federação Paulista de Futebol (FPF).

“A preparação nossa será um pouco diferente do normal. Nós estaríamos voltados ao público, ao acesso dos torcedores e policiamento. Agora o foco é na saúde, por causa do protocolo”, disse à reportagem o gestor do Ituano, Paulo Silvestri.

PROTOCOLOS!

O maior cuidado das 22 páginas do protocolo médico da FPF foi explicar a divisão dos estádios em três diferentes zonas. A primeira delas compreende o campo e o vestiário, local permitido somente para jogadores, técnicos e árbitros. A segunda compreende a arquibancada e tribuna, que serão ocupadas por cinegrafistas, dirigentes e funcionários. Já a terceira região é área externa das arenas, onde podem circular seguranças e motoristas. A separação de uma zona e outra será rígida e controlada por utilização de credencial.

“Fora dos gramados, a orientação é a utilização de máscara o tempo todo. No banco de reservas os jogadores também precisam cumprir distanciamento e não podem compartilhar bebidas (aquelas garrafinhas)”, disse o diretor médico da FPF, Moisés Cohen, um dos responsáveis pelo protocolo. “A parte externa do estádio também faz parte deste protocolo médico. Nós nos preocupamos com a aglomeração de torcedores ao redor dos estádios. Por isso, a Polícia Militar fará o policiamento do perímetro”, acrescentou.

Logo de cara haverá um clássico entre Corinthians e Palmeiras, que em outras épocas teria casa cheia do time mandante. Numa época mais longe ainda, haveria torcedores dos dois lados. Nesta quarta-feira, o jogo terá portões fechados e os torcedores serão orientados a não aparacer nas imediações da Arena Corinthians em Itaquera.

CUIDADOS!

A FPF não quer que o número de pessoas envolvidas no jogo ultrapasse 200 pessoas. O número já leva em consideração jogadores e comissões técnica. Todas as delegações dos times serão testadas anteriormente e monitoradas de forma contínua. O protocolo determina que os ônibus das equipes vão chegar e deixar o estádio em horários separados, para evitar o risco de contágio. No vestiário, o cuidado será ainda maior.

Além de evitar aglomerações no espaço, os jogadores terão de trocar o uniforme inteiro já no intervalo e colocar as peças usadas em um cesto de roupas sujas. “Pode parecer um exagero, mas estamos sendo muito zelosos. Ainda assim, há o risco de contaminação. Estamos tomando cuidados para que isso não aconteça ao longo da competição”, disse Cohen. Quando os times forem embora, uma empresa de limpeza irá ao vestiário para desinfetar o local.

CLÁSSICO

No clássico de quarta, entre Corinthians e Palmeiras, a Arena Corinthians terá uma nova estrutura. Trata-se de um túnel de cerca de três metros, por onde vão passar jogadores e membros da comissão técnica. Um sensor de presença aciona borrifadores de uma solução higienizante.

“Acredito que o uso de tecnologias como essa serão parte essencial na realização de partidas não só no país como em ligas de todo o mundo. Não só para jogadores e comissão técnica, mas para os próprios torcedores ao chegarem e saírem das arenas, que no período pós-pandemia será uma situação que vai gerar muita preocupação de organizadores e do próprio indivíduo”, afirma Marcelo Frisoni, diretor da Neobrax, empresa responsável pelo sistema.

O governo estadual só permitiu a realização de jogos em cidades que estejam na fase amarela do plano de retomada das atividades. Por isso, pelas duas próximas rodadas, apenas capital, região metropolitana e Santos vão receber partidas. Além do Canindé, outros estádios que não são de times da elite paulista vão ser acionados neste período: o José Liberatti, em Osasco, e o Primeiro de Maio, em São Bernardo do Campo.

Fonte: https://www.sbnoticias.com.br/noticia/Estadios-paulistas-preparam-revolucao-higienica-para-voltar-a-receber-partidas/179232